quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Condessa de Ségur

Retrato pintado por Gaston de Ségur cerca de 1840
A Condessa de Ségur é um dos mais consagrados nomes - juntamente com Lewis Carroll (Alice no país das maravilhas), Carlo Collodi (Pinóquio), Hans Christian Andersen (O patinho feio) - da literatura infantil do século XIX, considerado a Idade de Ouro do gênero.



Fonte: Mercado Livre – Opinião e Catálogo


Biografia
Fonte: Wikipédia

Sophie Feodorovna Rostopchine, a Condessa de Ségur (São Petersburgo, 1 de agosto de 1799 — Paris, 9 de fevereiro de 1874) foi uma escritora russa, largamente conhecida no século XIX, como autora de obras-primas de literatura infantil.



Sua família era originária da Mongólia. O pai, Fiodor Vassilievitch Rostopchine era comandante-geral e, depois, Ministros das Relações Exteriores da Rússia. Em 1812 era prefeito de Moscou durante a invasão do exército francês sob o comando de Napoleão Bonaparte. Enquanto os historiadores discutem a autoria da idéia de atear fogo à cidade, ao seu pai é atribuída a idéia de deixar a cidade arrasada para evitar sua conquista, apesar da oposição dos ricos proprietários. O incêndio e a "terra arrasada" - estratégias de defesa que minaram o exército invasor, forçaram Napoleão a uma retirada desastrosa.


Em 1814 a família Rostopchine foi forçada a partir para o exílio, primeiro dirigindo-se ao ducado de Varsóvia, depois para a Confederação Alemã e península italiana e, finalmente, em 1817, para a França, durante a Restauração dos Bourbon. Ali seu pai estabeleceu um salão, e tanto sua esposa como a filha se converteram ao Catolicismo Romano.


Foi no salão paterno que Sophie conheceu o Conde Eugène Ségur, com quem se casou a 14 de julho de 1819. Foi um matrimônio em grande parte infeliz: seu esposo era ausente, descuidado, além de pobre (até ter se tornado um dos Pares de França, em 1830), e suas visitas ao castelo onde morava a esposa eram bastante inconstantes, em Nouettes (próximo a L'Aigle, no Orne). A despeito disso, renderam-lhe oito filhos - a ponto de o conde referir-se à esposa como "la mère Gigogne" (ou: "a mãe Matrioska"), numa referência às bonecas de madeira típicas da Rússia, onde uma figura esconde outra em seu interior, e assim sucessivamente.


A Condessa de Ségur escreveu seu primeiro conto com a idade de 58 anos.  

Biografia:

Criadora de personagens eternos para o imaginário infantil, suas principais obras são "Sofia, A Desastrada" (ou, no Brasil, "Os Desastres de Sofia"), "Meninas Exemplares" e "As Férias", em que desenvolvem-se os personagens-mirins Sofia, Paulo, Camila e Madalena, além de "Memórias de um Burro". Os títulos originais de suas obras, foram:


  •  Un bon petit diable (Um Bom Diabrete)
  • Les Malheurs de Sophie (Os Desastres De Sofia)
  • Diloy le chemineau (O Caminheiro)
  • Les Mémoires d'un âne (Memorias De Um Burro)
  • Jean qui grogne et Jean qui rit(João que chora João que ri)
  • Le Mauvais Génie (O Génio Do Mal)
  • François le bossu
  • Les Caprices de Gizelle
  • Pauvre Blaise
  • La Fortune de Gaspard (A Fortuna De Gaspar)
  • Quel amour d'enfant ! (A Menina Insuportável)
  • Les Petites Filles modèles (As Meninas Exemplares)
  • La sœur de Gribouille (A Irmã Do Inocente)
  • Blondine (Novos Contos De Fadas)

As Meninas Exemplares
Fonte: Rato de Biblioteca


A Sra de Fleurville morava no campo com as filhas, Camila e Madalena, duas meninas muito bem educadas, caridosas, gentis (insira aqui o adjetivo de sua escolha). Através da boa educação e exemplo da mãe, as meninas faziam caridade, dividiam o que tinham com os pobres e necessitados, nunca brigavam.

A certa altura surge Sofia, que é uma criança rebelde, por ter perdido o pai (não lembro os detalhes, mas o pai das meninas exemplares também estava ausente). Sofia e a mãe são acolhidas calorosamente pela família, e com a convivência Sofia torna-se tão perfeitinha quanto Camila e Madalena.

Sim, a história é edificante, um bom exemplo, até demais, e talvez por isso eu tenha tido tanta bronca do livro. Nunca vi crianças como aquelas, e a pulga atrás da minha orelha ficava cochichando que aquilo era “missa encomendada”, ou seja: quem sabe, ao ler o livro, eu não resolvia ser como elas? Bom, não deu certo. Fui uma criança normal, como todas daquela época. Brigava com os irmãos, brincava, estudava, mas sem a aura de santidade de Camila e Madalena.

6 comentários:

  1. Judith passei para conhecer seu blog ele é not°, muito maneiro, fantástico com excelente conteúdo você fez um ótimo trabalho desejo muito sucesso em sua caminhada e objetivo no seu Hiper blog e que DEUS ilumine seus caminhos e da sua família
    Um grande abraço e tudo de bom

    ResponderExcluir
  2. Rodrigo,

    Este é o blog do Aiaiá - Clube do Livro, coordenado pelo Celso Sisto, o endereço do meu blog (que está bem desatualizado) é: http://judithriboni.blogspot.com/

    Agradeço sua visita e que bom que gostaste do conteúdo, LIJ é uma paixão do nosso grupo, fica o convite para participar de um dos nossos encontros, que são realizados no CELIN, no prédio 8 da PUC-RS, às terças-feiras quinxenalmente.

    Nosso próximo encontro será no dia 23 de novembro e discutiremos o livro "Mulherzinhas" de Louise May Alcott.

    Fraternal abraço,
    Judith.
    Paz e Luz.

    ResponderExcluir
  3. Vagando nessas tantas ruas virtuais, encontrei tua porta de amante das Letras aberta - e entrei. Devo anunciar-me como um desses que diz "Oi, de casa! Trago aqui em minhas mãos a chave para dias melhores: escrevo e vendo livros!". Assim, venho te convidar para visitar o meu blog e conhecer as sinopses de meus romances, a forma de adquiri-los e, posteriormente, discuti-los. Três deles estão disponíveis inclusive para serem baixados “de grátis”, em formato PDF.
    Um grande abraço literário,

    João Bosco Maia

    ResponderExcluir
  4. nossa minha infancia me lembro que li estes livros passava as noites viajando e imaginando a cenas da época que me lavavam a queles tempos antigos mutas saudades e nostalgia .

    ResponderExcluir
  5. ola, busco informações sobre esta escritora, pois tenho um exemplar muito antigo do livro^Que amor de Crinça, quinta edição da editora do Brasil, ele infelizmente o estado dele não dos melhores mas a capa e original e a historia esta completa. e Muito antigo o livro, as folhas estão Muito amareladas e são grossas. se alguém intende do assunto e do livro e quiser o mesmo me procure email... lilianpassamani@gmail.com.

    ResponderExcluir
  6. Ana Cláudia Marques18 de agosto de 2014 10:16

    Boa tarde, eu me lembro de ter lido os dois primeiros livros e gostaria só de lembrar: é apenas Sofia que fica aos cuidados dos Fleurville, pois a mãe tinha falecido e o pai, casado de novo; só que a madrasta era a maior megera, e depois que ele morreu ela judiava com a menina por qualquer coisinha. A mães das meninas exemplares fica com pena e convence a madrasta a deixar Sofia com a família. De modo que a partir daí começa o "polimento" dela.

    ResponderExcluir